segunda-feira, outubro 22

Seja um Modelo de Negócios

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Modelos de Negócios são amplamente usados para descrever empreendimentos, para explorar oportunidades e para o autodesenvolvimento de uma organização. E quando pensamos em todas estas possibilidades, por que não pensamos em fazer o mesmo conosco?

Raramente nós nos percebemos como organizações. Menos ainda que, a todo o momento, estamos capturando, transformando e entregando valor. Somos geradores de conteúdo, absorvemos conhecimento de nossos parceiros, geramos expectativas no meio onde trabalhamos. Entretanto, quando se fala em carreira muitas vezes se esquece o papel do autoconhecimento. É aí que o modelo de negócios pessoal entra como aspecto chave no crescimento profissional.

Existem diversas abordagens para o desenvolvimento de um modelo de negócios. A mais simples (e mais prática) é usando o Quadro de Modelo de Negócios (Business Model Canvas, em inglês). Este quadro aborda nove diferentes perspectivas essenciais para o sucesso de um empreendimento.

Hoje, nós vamos aprender como utilizar estas nove perspectivas para a construção do seu modelo de negócios profissional, visando o desenvolvimento de sua carreira. Vamos lá?

1. Clientes – Quem você ajuda?

Quando se fala em clientes automaticamente imaginamos alguém fazendo uma compra. Em nossa vida profissional, os clientes são aquelas pessoas para quem estamos constantemente realizando entregas: pode ser o seu chefe ou gerente, seus colegas de trabalho, ou ainda um produtor rural ou revendedor de algum produto. Assim, em nossa careira, os clientes não se restringem apenas a uma relação comercial, mas são aqueles que experimentam os serviços que entregamos constantemente.

2. Proposta de valor – Como você ajuda?

A proposta de valor é tudo aquilo que você faz que te diferencia de seus concorrentes; é aquilo que te torna único, que faz com que você se destaque em meio à multidão. Está diretamente associada ao seu cliente, pois é preciso compreender quais são as suas necessidades para não apenas atendê-las, mas também gerar valor além da simples solução de um problema. O que você está entregando para o seu cliente? Uma solução rápida e objetiva? Exclusividade e atendimento customizado? Ou uma solução que gera tranquilidade e segurança?

3. Canais de venda – Como você entrega?

Já parou para pensar em como você faz para chegar em seu público-alvo? Será que você usa os canais corretos? Os canais são o conjunto de formas como você faz com que a sua proposta de valor chegue até os seus clientes. Se você for conversar com seu chefe, a abordagem será totalmente diferente do que a com algum produtor rural, que será diferente de um profissional parceiro de trabalho. Alguns exemplos de canais são lojas físicas, telefone, redes sociais, eventos.

4. Relacionamento – Como você interage?

O relacionamento, por sua vez, é como você se conecta aos seus clientes e qual o tipo de relação que você terá com cada grupo. Algumas relações são mais informais, outras totalmente formais. Assim, há diversas abordagens, como a assistência personalizada, a criação de comunidades/ grupos, ou ainda um serviço de atendimento ao consumidor (SAC).

5. Recursos Chave – O que você tem?

É tudo aquilo que você precisa ter para poder desenvolver a sua proposta de valor. Assim, os seus recursos podem ser pessoas (seus funcionários, colegas de trabalho, responsável técnico, entre outros); recursos financeiros (financiamentos, investidores, consórcios); recursos físicos (fazendas, máquinas, implementos, armazéns); e recursos intelectuais (o seu próprio conhecimento e tudo relacionado à direito autoral).

6. Atividades Chave – O que você faz?

São as principais atividades que você deve desenvolver para que consiga atingir o seu objetivo. Desde assistir às suas aulas de pós-graduação, até participar de eventos estratégicos com certos clientes, ou fazer ligações lembrando algum parceiro sobre suas entregas. Foque naquelas atividades que são mais importantes no seu trabalho. Por exemplo, para um produtor rural, uma atividade chave é o fechamento dos custos antes do plantio.

7. Fontes de Receitas – O que você ganha?

As fontes de receitas são aquilo que faz com que você ganhe dinheiro, de fato, e ganhos não financeiros. Se você trabalha como funcionário, é o seu contrato de trabalho que lhe gera receita, e também pode te gerar conhecimento por meio de treinamentos. Caso trabalhe como autônomo, o seu serviço ou a venda dos seus produtos são aquilo que lhe geram caixa, e outro ganho é a ampliação de sua rede de contatos.

8. Parceiros Chave – Quem te ajuda?

Todos nós temos aquelas pessoas ou organizações que nos apoiam em diversos momentos. Estas alianças devem ser trabalhadas de forma estratégica, para que se tornem mais sólidas com o passar do tempo. Reflita: o que você tem entregue de bônus aos seus parceiros? E o contrário, será que você não poderia estar se beneficiando de alguma parceria neste momento, e ainda não se deu conta disso?

9. Fontes de Custos – O que você dá?

Exatamente o oposto das fontes de receitas: é tudo aquilo que faz com que você gaste dinheiro e recursos para poder entregar sua proposta de valor. No exemplo do produtor rural, a aquisição de todos os seus insumos e os investimentos em mão de obra são fontes de custos. Além da questão financeira, podemos gastar tempo, espaço físico, disposição e disponibilidade.

E aí, já sabe qual é o seu modelo de negócios? Acompanhe este espaço no Agromulher e fique por dentro de como se desenvolver e crescer com a gente em sua carreira.

Compartilhar.

Sobre o Autor

Vanessa Sabioni

Graduada em Egenharia Agrônoma e Mestre em Fitopatologia pela Universidade Federal de Viçosa – MG. Atualmente cursa o MBA em Marketing ministrado pela Esalq-USP. CEO e Fundadora da Rede Digital AgroMulher.

Deixe Seu Comentário