Reunião na AMOG, em Guaxupé/MG, busca solução para problemas da cafeicultura nacional

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Cafeicultores se reunirão no próximo dia 15 de fevereiro, na sede da AMOG (Associação dos Municípios Micro Região Baixa Mogiana), em Guaxupé (MG), na busca de solução para vários problemas que se arrastam na cafeicultura nacional.

Minas Gerais é o mais importante estado produtor de café, com mais de 50% da oferta brasileira. “Temos municípios totalmente dependentes da agricultura, vários deles possuem como carro chefe a cultura do café e se encontram com grande dificuldade devido aos baixos preços”, afirma Fernando Barbosa, presidente do Conselho do Café da AMOG.

O plantio de café tem avançado, a renovação das lavouras também tem ocorrido e, em muitos casos, com mudança de espaçamento para possibilitar a mecanização da produção. Além da cafeicultura de montanha que, em sua maior parte, está nas mãos da agricultura familiar

Para a reunião em Guaxupé espera-se cafeicultores de todas as regiões produtoras do país, que são aproximadamente 1.800 municípios que geram direta e indiretamente 8 milhões de empregos. 

Apesar dos baixos preços, as exportações resultaram em US$ 5,09 bilhões em 2018, segundo o Cecafé – Conselho dos Exportadores de Café do Brasil.

“Apesar de toda essa importância na estabilidade econômica e social, nos últimos anos, nossa atividade vive constantes sobressaltos e insegurança, por condições climáticas e falta de políticas públicas efetivas tanto no mercado interno, quanto nas relações internacionais. Os levantamentos de previsão de safra e estoque interno são um bom exemplo das incertezas e falta de credibilidade”, aponta Barbosa.

De acordo com o presidente do Conselho, a presença maciça de toda a cadeia produtiva ajudará a AMOG no levantamento das demandas, sejam elas de curto, médio e longo prazo, tanto no mercado interno, quanto no mundo globalizado, e dará maior credibilidade e legitimidade junto aos órgãos governamentais. 

A Rede Digital AgroMulher marcará presença e, na oportunidade, apresentará nosso propósito e trabalho de capacitação,
inserção e valorização das mulheres do agro, e promover a criação de Núcleos de Mulheres Produtoras de Café.

Leia também: Mulheres se destacam na gestão e na pós-colheita do café.

Fontes:


Compartilhar.

Sobre o Autor

Daniela César Lara

Fundadora da Invicta Propaganda com experiência de mais de 20 anos em comunicação especializada para o agronegócio. Coordenadora de comunicação e novos projetos da Rede AgroMulher, e Operações do Congresso AgroDigital. Publicitária (PUC-MG) com atualização em Marketing (FGV), pós-graduada em Processos Criativos em Palavra e Imagem (IEC/PUC-MG).

Deixe Seu Comentário