quarta-feira, novembro 14

Plantar soja e milho em rotação com adubação verde pode aumentar em mais de 500% o retorno econômico anual

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Estudo feito por pesquisadores da Embrapa e Imea consideraram uma fazenda padrão em Sorriso (MT) 

Utilizada há séculos na agricultura, a adubação verde vem ganhando força nas principais lavouras brasileiras. O produtor que opta pela prática reduz consideravelmente os custos com fertilizantes químicos nitrogenados e com o controle de pragas e doenças, além de garantir a recuperação do solo por mais tempo. Mas, os ganhos não param por aí, segundo levantamento feito por pesquisadores da Embrapa (Empresa Brasileira do Pesquisa Agropecuária) Agrossilvipastoril e Imea (Instituo Mato-grossensse de Economia Agropecuária), o valor presente líquido (retorno econômico acumulado), pode ser até 567% maior por ano para produtores de grãos que investem em rotação com adubação verde.

Para os cálculos, os pesquisadores consideraram uma fazenda padrão no município de Sorriso (MT), que planta 1500 hectares de soja, com uma produtividade média de 56 sacas/ha e 900 hectares de milho, com rendimento de 100 sacas/ha, sem rotação de cultura entre as safras de soja e milho. Compararam com uma propriedade de mesmas características, porém com rotação de cultura em um ciclo de quatro anos, utilizando soja precoce, crotalária, feijão guadu anão, feijão caupi e braquiária, entre a safra principal e a segunda temporada.

De acordo com os pesquisadores, o valor presente líquido (VPL) acumulado durante o período de 10 anos foi de R$ 556,82/ha, o que equivale a um valor de R$ 83/ha/ano para a fazenda padrão. Já para a propriedade que faz a rotação com adubação verde, o VPL foi de R$ 3.716,60/ha, equivalente a R$ 554,03/ha/ano, ou seja, um aumento de 567%. “Essa grande diferença é resultado dos ganhos de produtividade no período”, explica o diretor comercial da Piraí Sementes, José Aparecido Donizeti, baseado nos resultados do estudo.

As vantagens da adubação verde são inegáveis, e ela pode ser utilizada em praticamente todas as culturas, semeadas em rotação, sucessão ou consorciação, dependendo do tipo de solo, plantação e benefícios buscados.

Neste período, estão sendo comercializadas as sementes de adubação verde para as culturas de outono/inverno e perenes como mucunas, milheto, aveia-preta e crotalária-breviflora. Em cada região do Brasil, elas são indicadas para um tipo de cultura nesta época do ano. No Sul, para hortifrutícolas (HF), forragem de inverno e grãos; no Sudeste para citros, grãos, café e HF; no Centro-Oeste, para cana-de-açúcar, forragem e grãos e no Norte e Nordeste, para cana, HF e grãos.

De acordo com o diretor, trata-se de uma excelente oportunidade para quem ainda não conhece na prática os benefícios da adubação verde, feita com sementes selecionadas e de qualidade, de começar a investir nessa forma de fertilização e controle integrado de pragas e doenças. “Temos produtos em pronta-entrega para todo o Brasil e ainda oferecemos orientação técnica de plantio e manejo de nossas sementes.”

Piraí Sementes

Referência em adubação verde e sementes, a Piraí Sementes está há 40 anos no mercado. Instalada em Piracicaba, interior de São Paulo, a qualidade de seus produtos é garantida pela seleção criteriosa dos campos de produção, pela tecnologia de beneficiamento e análise das sementes e, principalmente, pela equipe técnica responsável por todo o processo.

Comercializa sementes de aveia-preta, crotalária-breviflora, crotalária-júncea, crotalária-ochroleuca, crotalária-spectabilis, feijão-de-porco, guandu-forrageiro (favalarga), guandu-anão, lablab, milheto, mucuna-cinza, mucuna-preta, nabo-forrageiro, soja-perene e tremoço-branco.

Quer saber mais? Acesse: www.pirai.com.br

Compartilhar.

Sobre o Autor

Flávia Romanelli

Jornalista com mais de 20 anos de experiência. Atualmente é consultora de comunicação da Ello Agronegócios, empresa de gestão e pesquisas do Agro.

Deixe Seu Comentário