terça-feira, novembro 13

Olhar para dentro

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Transformar recortes cotidianos em textos que sejam aproveitados por mais pessoas não é uma tarefa fácil, e exige bastante observação. Muitas vezes imaginamos que as dúvidas que nos afligem são exclusivas, até que alguém nos questiona ou compartilha que enfrenta os mesmos dilemas. Ufa, que alívio!

Ao ver as demais pessoas enfrentarem as mesmas dificuldades que eu enfrento, eu me sinto no dever de compartilhar algo que ajude a pessoa, seja uma frase ou uma lição que eu tenha aprendido com a situação.

Porém, venho aprendendo que cada pessoa possui um ritmo de evolução distinto, e que nem sempre o aprendizado acontece na mesma velocidade. Isso se deve, em grande parte, ao autoconhecimento. Palavra assustadora, né?! O conceito parece simples, haja visto que desde os primórdios da Filosofia se repete “Conhece a ti mesmo”, frase escrita na entrada do templo de Delfos e tomada por Sócrates como inspiração para construção de sua teoria filosófica. Mas, afinal, o que isso quer dizer?!

Somos seres humanos em constante evolução, interagimos com as pessoas em nosso círculo social, interagimos com o meio ambiente, com a sociedade em que estamos inseridos, e tudo isso nos modifica de alguma forma. É difícil mensurar como isso nos afeta. Temos de conhecer profundamente a nós mesmos! E essa é uma tarefa que pode levar a vida toda!

Como seres dotados de inteligência desenvolvemos habilidades ao longo de toda a vida, porém não somos educados a refletir sobre nós e nossa essência em primeiro lugar. Se nosso corpo é nossa primeira casa, é o primeiro lugar que habitamos, temos de conhece-lo por completo. Isso inclui nossa mente e nossas emoções, que volta e meia nos pregam peças, não é mesmo?! Quem nunca sofreu com a ansiedade diante de uma apresentação?! Ou ficou sem reação diante de um elogio ou uma reprimenda?! São situações comuns, e que a maioria das pessoas ignora. Mas, e se pudermos melhorar e reverter essas situações em nosso favor?!

Isso só é possível através do autoconhecimento. E conhecer a si mesmo exige primeiramente, humildade. Reconhecer que não dominamos a nós mesmos, nem nossa mente, nem nossas emoções. Depois, é preciso muita força de vontade e resiliência, pois temos um longo caminho, e esse caminho nem sempre se abrirá facilmente. Algumas pessoas precisam de ajuda para isso, seja com psicólogo ou coaching, ou outro tipo de consultoria. Eu acredito que também é preciso muita leitura, para melhorar os conceitos acerca das pessoas e dos relacionamentos.

É preciso estar disposto a mexer em feridas, traumas, situações do passado que nos tornaram quem somos hoje. É preciso também muito amor e carinho para olhar para dentro e não se culpar, entender que agimos daquela forma porque desconhecíamos a nós mesmo, porém se comprometer a mudar dali em diante. Por fim, eu acredito que o ingrediente que não pode faltar na lista de “convocados” ao autoconhecimento é a alegria: alegria para decidir que nunca é tarde para mudar, alegria para enfrentar as dificuldades emocionais, alegria para construir pontes dentro de si mesmo, alegria para não desistir de ser alguém melhor. Alguém, em algum lugar, escreveu que aprender a rir de si mesmo é o princípio da sabedoria. Então, é com alegria que devemos prosseguir nessa jornada rumo a descoberta de si mesmo! Afinal, se vamos conviver até morrer conosco mesmos, é imprescindível que este seja o nosso melhor relacionamento!

Compartilhar.

Sobre o Autor

Noelle Foletto

Engenheira agrônoma formada na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), pós graduação em Agronegócios na Faculdade Antonio Meneghetti (AMF). Nascida e criada na região orizícola do RS, iniciou a carreira neste setor, passando por todas as suas etapas, trabalhando posteriormente em multinacionais voltada para Marketing e Vendas. Leitora voraz, a curiosidade a levou por cursos em diversas áreas, como psicologia, formação humana, gastronomia, liderança pessoal, design thinking, entre outros. Apaixonada por plantas e por tudo que envolve o agronegócio, é também idealizadora do blog Nonô na Estrada.

Deixe Seu Comentário