O desejo de fazer diferente: A trajetória de Vanice Waldige

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Por João Paulo Monteiro

Dentro dos diversos bordões utilizados pelo jornalismo, pode até soar clichê, mas a definição “movida a desafios” se encaixa perfeitamente à Vanice Waldige, atual gerente geral da Phileo Lesaffre Animal Care do Brasil (Campinas/SP). Este artigo não será suficiente para retratar a trajetória da profissional que, aos 17 anos de idade, após uma infância tradicionalmente urbana em São Paulo capital optou por algo diferente, como estudar no interior. “Nunca quis fazer exatamente o que todos faziam”, afirma a executiva e explica: “Na época do vestibular, eu quis estudar algo diferente de todos os cursos ‘normais’ de uma capital, queria ter esta experiência de estudar e morar numa cidade de interior”.

Deste modo, influenciada pelas histórias contadas pela mãe sobre a fazenda da família, as plantações, a produção de grãos e os animais, entre outros, a jovem se muda para Jaboticabal, onde cursou Zootecnia na Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp). Na faculdade, o primeiro contato direto foi com o campo. “De fato me encontrei”, conta Vanice e relembra: “Alguns amigos tinham fazendas, então, até mesmo durante as férias eu passava trabalhando. Era tudo era novo, então gostei muito”. Após a graduação, realizou um período de especialização na área de genética e, ao mesmo tempo, se dividia lecionando como professora universitária em Paraguaçu Paulista: “Foi interessante, pois mal tinha me formado e já estava dando aula. Foi uma mudança brusca, mas muito divertido”.

A vida de Vanice mudou de fato quando decidiu se candidatar à uma vaga na Purina, em 1996, em um longo processo seletivo, com diversos candidatos e afunilamentos, e apenas uma vaga. “Me sentia muito insegura, pois não possuía mestrado, não falava inglês e mal sabia digitar um texto no Word à época”, revela, aos risos. Superando todas as dificuldades, a competência falou mais alto e Vanice foi admitida para a função de Supervisora de SAC. O trabalho junto aos departamentos Comercial e Marketing logo foi reconhecido e, com dois anos de casa, a profissional foi promovida à gerencia de Produtos para Ruminantes. Na sequência, mais um desafio para a carreira da executiva: lançar a linha para peixe e camarão da companhia, agora como gerente de Produtos para Aquacultura. “Foi nesta época que fiz uma pós-graduação em marketing, e então me senti mais bem preparada para atuar nesta posição”.

Com a aquisição da Purina pela Cargill, em 2003, deu-se uma reestruturação na companhia e Vanice foi realocada como gerente de Negócios de Rações Completas. Neste momento, a profissional passou a liderar uma equipe de vendas composta por 44 pessoas, atuante em todo o território nacional e com todas as espécies de animal de produção. O próximo passo dentro da Cargill se deu pela especialização, conhecimento e profundidade, quando, à frente de uma equipe menor, passou a responder pela gerência de Negócios de Aquacultura: “Um trabalho baseado em desenvolver soluções personalizadas aos clientes, muito diferente de distribuição, o que fazia anteriormente. Soluções customizadas, fórmulas e ações específicas”. E assim seguiu até a venda das ações da Purina para o grupo InVivo, quando Vanice passou a atuar junto à Cargill Agrícola, no setor de Consulting Services na América Latina.

Foram dois anos no posto até o convite para uma mudança de plataforma – após quinze anos atuando em nutrição animal, a profissional enveredou-se para o setor de ingredientes para indústria de alimentos e bebidas. Antes disso, porém, Vanice participou de um projeto corporativo na Cargil Animal Nutrition, em Mineeapolis, nos Estados Unidos, para conduzir análises estratégicas em alguns países com o objetivo de identificar as principais oportunidades de crescimento nos cinco anos seguintes. “Foi bem interessante, pois, até esse momento, eu não conhecia análise estratégica, já seguia direto para o plano de negócios apenas com uma breve análise de mercado. Deste modo, como parte de uma equipe global, ajudei na análise da Indonésia, foi uma experiência enriquecedora”, resume.

Assim, novamente movida a desafios – “adoro mudanças e novos projetos, se tiver algo para começar do zero, pode me chamar”, brinca –, Vanice trabalhou na construção e estabelecimento do Centro de Inovação – LA da Cargill, em Campinas. “Estrutura onde se faz aplicação dos ingredientes em conjunto com a indústria alimentícia”, explica e pontua: “Foi uma escola para mim”. O que mais chamou a atenção da profissional é a relação de proximidade estabelecida entre a indústria alimentícia e o consumidor: “Qualquer projeto iniciado tem como base alguma tendência do consumidor ou algum grupo focal. E percebi que na área de nutrição há uma lacuna muito grande entre as duas pontas”.

Profissional, esposa e mãe de dois filhos com quinze e quatro anos, Vanice decidiu tirar alguns meses para si própria, quando realizou alguns cursos e viagens, até que, há cerca de um ano, recebeu o convite da Phileo Lesaffre Animal Care. “Gosto muito de novos projetos e mudar de empresa me tirou da zona de conforto para um novo desafio”, afirma a executiva e argumenta: “Todo trabalho novo requer conquistar confiança e desenvolver novos relacionamentos, estes são os principais desafios. A outra parte do trabalho é compartilhar visão, atrair e motivar pessoas e desenvolver parcerias estratégicas”. Motivada pela primeira experiência de trabalho com ingredientes naturais para performance, saúde e bem-estar dos animais, Vanice detalha estar alinhados com as tendências de saúde intestinal, redução da pressão de patógenos e soluções para limitar o risco de resistência a antibióticos nos animais: “Neste setor, existem diversas oportunidades para projetos inovadores e colaborativos com foco no consumidor”.

Desta forma, uma dica deixada por Vanice aos profissionais do setor é deter um conhecimento amplo da cadeia de valor: “É preciso entender os impactos como um todo, não dá mais para ser um executivo que conheça a produção profundamente apenas até a porteira da fazenda, é fundamental enxergar a cadeia produtiva completa”. Somado a isso, a profissional aponta como fundamental ter a ética como um dos principais valores para si e para a empresa que representará no mercado e também estar preparado para migrar do “eu” para o “outro”, ou seja, “tomar a decisão de servir, encontrar as melhores soluções que gerem valor para as pessoas e para as empresas”.

João Paulo Monteiro é Jornalista e um dos editores deste Portal, saiba mais sobre o autor deste artigo.

Compartilhar.

Sobre o Autor

Vanessa Sabioni

Graduada em Egenharia Agrônoma e Mestre em Fitopatologia pela Universidade Federal de Viçosa – MG. Atualmente cursa o MBA em Marketing ministrado pela Esalq-USP. CEO e Fundadora da Rede Digital AgroMulher.

Deixe Seu Comentário