Mulheres inspiradoras, mulheres extraordinárias

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Durante os dias 02 a 08 de março, a Rede AgroMulher homenageou grandes mulheres que fizeram história com sua genialidade, não só no Agro, mas no Brasil

A mulher, com muito esforço e merecidamente, dia após dia, vem conquistando seu espaço e mostrando suas habilidades em diversos setores. No mundo do Agronegócio as oportunidades estão cada vez maiores, as empresas são mais receptivas e entendem a diferença que uma mulher faz para uma equipe de trabalho, o mundo mudou e vem mudando cada vez mais.

Nem sempre foi assim, foram necessários esforços e muita resiliência por parte de muitas delas para termos hoje a posição que ocupamos e temos orgulho de mostrar um pouquinho de algumas mulheres homenageadas neste ano pela AgroMulher.

CAMPANHA CULTIVANDO MULHERES INSPIRADORAS

A campanha #CultivandoMulheresInspiradoras foi pensada para exaltarmos algumas mulheres que nos inspiram diariamente a conquistar os nossos objetivos, passando por cima de qualquer adversidade e inspirando outras mulheres.

Foto de Tereza Cristina sorrindo. Texto: Engenheira Agrônoma, empresária e política brasileira. É atual ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil.

Engenheira agrônoma por formação, Tereza Cristina foi diretora de entidades representativas do agronegócio sul-mato-grossense, como a Federação de Agricultura e Pecuária do Estado (Famasul), a Associação dos Produtores de Sementes do Estado (Aprossul) e a Associação dos Criadores do Estado (Acrissul), além de secretária de Desenvolvimento Agrário e da Agência de Defesa Sanitária.

Se formou em engenharia agronômica pela Universidade Federal de Viçosa (MG), posteriormente ocupando o cargo de gerente-executiva de quatro secretarias: Planejamento, Agricultura, Indústria, Comércio e Turismo. Como deputada federal, integrou as comissões de Finanças e Tributação, Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural.

No último ano, ocupou a liderança do PSB na Câmara dos Deputados. Sempre com muito ímpeto e direcionamento certeiro na defesa das suas pautas. Dando continuidade ao seu grande trabalho na câmara, hoje a ministra se dedica diariamente a luta árdua pelos interesses do desenvolvimento do agronegócio no Brasil para todos.

Foto de Enedina Alves. Texto: Primeira mulher a se formar em engenharia (civil) e a primeira engenheira negra do Brasil.

Enedina Alves Marques é um desses casos, que nos enchem de vontade de seguir em frente e que tanto nos inspiraram. Em 1940, ela foi a primeira mulher a entrar na Faculdade de Engenharia da Universidade do Paraná, além disso, ela tem o título histórico de primeira mulher e negra a se formar como engenheira no Brasil, aos 31 anos.

Já aos 34, Enedina iniciou a sua jornada no Departamento Estadual de Águas e Energia Elétrica do Governo do Paraná. Onde desenvolveu o Plano Hidrelétrico do estado, trabalhando diretamente com diversos rios do estado e se destacando no projeto da Usina Capivari-Cachoeira.

Enedina deixou o seu legado, com uma carreia sólida na engenharia brasileira e para a cultura negra e feminina, lutando por direitos mais justos para todas e menos racista.

Foto de Johanna Dobereiner. Texto: Engenheira agrônoma brasileira pioneira em biologia de solo.

Quando falamos sobre mulheres inspiradoras e relacionamos com o meio agro, Johanna Döbereiner é uma daquelas pessoas que logo são lembradas e quando pensamos na nossa campanha.

Mãe, cientista e principalmente mulher e líder. Durante muitos anos foi a figura representativa do Instituto de Ecologia e Experimentação Agrícola do Serviço Nacional de Pesquisas Agronômicas, o que no futuro se tornou a Embrapa Agrologia.

Durante a sua carreira, foi a orientadora de inúmeros bolsistas espalhados pelo globo e nunca deixou o desejo e a gana pela pesquisa de lado. Era como se tivesse nascido para aquela função e não se dobrou diante das funções e colecionou inúmeros prêmios e homenagens, revolucionando a forma que entendemos e trabalhamos a agricultura de solo.

Dentre os seus maiores feitos, a sua pesquisa sobre bactérias fixadoras de nitrogênio, ajudou o Brasil a se fixar como o segundo maior produtor de soja do mundo. Mantendo o foco nos seus objetivos e a convicção de que a ciência poderia melhorar e fortalecer a vida das pessoas, Johanna Döbereiner foi agraciada com um nobel de química aos 72 anos e listada como a nossa quarta homenageada na semana da mulher.

Foto de Victoria Rossetti. Texto: Primeira mulher no Brasil formada em Engenharia agronômica e autoridade mundial em doenças que acometem frutas cítricas

Primeira mulher a se formar em Engenharia Agronômica no estado de São Paulo e segunda no Brasil, Veridiana Victória Rossetti, é reconhecida pelas seus extensos trabalhos sobre doenças em plantas cítricas, o que ajudou a alavancar o Brasil como grande exportador de culturas cítricas.

Além de levar o nome do país e da pesquisadora para o mundo, sendo indicada para trabalhar como pesquisadora nas instituições renomadas nos Estados Unidos e na França, onde compartilhou e continuou suas pesquisas.

Veridiana Victória Rossetti sempre foi uma visionária no desenvolvimento da pesquisa e no trabalho de identificação análise e doenças da citricultura, publicando mais de 400 trabalhos científicos, recebeu 55 prêmios nacionais e 12 internacionais, é pesquisadora emérita do Estado de São Paulo e foi condecorada com a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico da Presidência da República do Brasil.

Foto de Ana Primavesi. Texto: Pesquisadora da agroecologia e da agricultura orgânica, responsável por avanços no manejo ecológico do solo.

Ana Maria Primavesi é, definitivamente, a definição de tudo o que acreditamos, uma mente incansável que dedicou sua vida a desenvolver o que mais amava, com uma força de trabalho impressionante, além de um coração único.

Dos 99 anos que viveu, dedicou cerca de 80 para a pesquisa e para o campo. Referenciada como um jatobá, pela sua liga e força, Ana Primavesi foi pioneira na agroecologia do Brasil e um dos nomes mais importantes estudiosas no manejo ecológico do solo do mundo.

Colecionadora de pesquisas, referências, prêmios, homenagens, ela também colecionou resistência daqueles que sempre colocaram o capital a frente do desenvolvimento ambiental. Dentre todas, Ana Primavesi é a tradução perfeita do que desejamos transmitir com a nossa campanha.

Ela sempre nos ensinou que devemos amar a terra e trabalhar em conjunto com ela para produzirmos melhor e com mais eficiência, para assim cultivarmos um futuro para a humanidade.

Foto de Tereza Vendramini. Texto: Produtora rural, primeira mulher a presidir a Sociedade Rural Brasileira em 100 anos.

Uma das principais influências para todas nós mulheres empreendedoras do agronegócio, Teresa Vendramini é um exemplo de pioneirismo, formação e visão dentro do nosso mercado.

Empresária, pecuarista e socióloga, a paulista Teka Vendramini sempre teve um trabalho inspirador, promovendo conhecimento e capacitação para diversas agromulheres por todo o Brasil, aproximando pequenos e grandes produtores das tendências atuais, noções de gestão de negócios dentro do campo, aprimoramento tecnológicos sempre visando a preservação ambiental, o melhoramento genético e o bem-estar animal.

Essa atuação magistral e de caráter realizador lhe rendeu prêmios, homenagens e no começo de fevereiro ela foi eleita a primeira mulher a presidir a Sociedade Rural Brasileira (SRB), um título muito importante e inspirador. Teka, como todas as outras homenageadas nesta semana da mulher, representa pilares inspiradores para todas nós da AgroMulher e que reflete o que diariamente buscamos passar para vocês. Todo o suor, conteúdo, projetos, mentorias e eventos valem a pena, porque sabemos que isso vai engrandecer e empoderar cada vez as mulheres do agronegócio nacional.

Recorde conosco a nossa história e veja a entrevista que fizemos com a Teka.

Teresa Vendramini, a primeira mulher a assumir uma posição administrativa na Sociedade Rural Brasileira

HOMENAGEM

Hoje é o dia internacional da mulher, uma data que deve ser lembrada como um dia de reivindicarmos igualdade de gêneros e mostrarmos a todo o mundo a nossa força. A AgroMulher decidiu esse ano dedicar a semana da mulher para exaltar figuras que de alguma forma quebraram paradigmas e que nos influenciam a sempre querer seguir em frente e querer mais.

Somos todas Terezas Cristinas, Ededinas Alves, Johannas Dobereiners, Veridianas Rossettis, Anas Primavesis, Marias, Lourdes, Claudias, Severinas e Vanessas, mulheres fortes e livres que sobrevivem e devotam a vida para desenvolver trabalhos focados em melhorar comunidades, nichos e mercados e que mostram que liberdade é algo muito maior do que simples palavras.

Feliz dia internacional das mulheres e vamos sempre juntas!

Compartilhar.

Sobre o Autor

Paôla Mírian

Estudante de Agronomia; Gerente de Marketing da Rede Agromulher.

Deixe Seu Comentário