segunda-feira, dezembro 17

Guerra Comercial – Mais uma manobra de Trump?

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Após 3 semanas seguidas com preços em queda na bolsa de Chicago, a soja interrompeu nessa última semana de outubro a sequência de desvalorização.

A motivação para a forte alta acumulada entre quinta e sexta feira foram os comentários de Donald Trump via twitter sobre conversa telefônica mantida entre ele e o presidente chinês Xi Jinping, na qual teriam conversado positivamente a respeito de assuntos comerciais.

Tal informação foi confirmada pelo presidente chinês e uma reunião entre os representantes dos 2 países na Argentina no final de novembro ( isso mesmo, final de novembro)  durante o encontro do G20 teria sido confirmada.

Um acordo bilateral poria fim à Guerra Comercial estabelecida em abril desse ano, quando então o presidente Trump anunciou tarifas nas importações de Aço e Alumínio gerando resposta imediata da China em forma de retaliação, que por sua vez virou uma bola de neve e desencadeou nova retaliação por parte dos EUA (ufa), gerando ainda mais estresse nos mercados mundiais.

Se um acordo sobre as tarifas atualmente vigentes sair do discurso e for para uma esfera oficial, o setor produtivo agrícola no Brasil e da Argentina perdem imediatamente competitividade na disputa da demanda chinesa.

Aqui em paralelo, vale um comentário extra sobre o Brasil, que desde o início da Guerra Comercial surfou uma onda praticamente perfeita; aproveitou a disponibilidade de produto, a desvalorização cambial (questões políticas e econômicas), a valorização do prêmio e a ausência da Argentina como exportador em razão da quebra de safra decorrente de adversidades climáticas.

O Brasil só não continua mais a surfar essa onda perfeita, devido aos baixos estoques disponíveis e ao fraco interesse de venda por parte da origem que ainda detém o grão.

Inclusive algo que precisa ser monitorado e que pode pressionar ainda mais o preço é possibilidade de o Brasil importar o grão de origem norte americana. Há pouco mais de 2 semanas muito se falou nacional e internacionalmente sobre o Brasil (e Argentina também) importar ainda nessa temporada, cerca de 1 milhão de toneladas de soja, equivalente a aproximadamente 15 a 16 navios com capacidade de 60 a 65 mil toneladas cada.

A conta paridade chegou em alguns momentos a fechar para a logística Porto de Rio Grande e o mercado “boatou” fortemente sobre a compra. Se as compras foram ou não performadas, saberemos nas próximas semanas. A maior parte dos players de mercado não acredita nisso. Uns justificam o entrave pela falta de clareza nas regras sanitárias enquanto outros estimam que eventualmente um ou outro barco possa chegar ao Rio Grande (que tem indústria) até dezembro mas a maioria destaca a falta de estrutura e a atual logística dos portos brasileiros.

Mas agora voltando ao tema Guerra Comercial, não podemos esquecer um detalhe importante.

Amanhã os Estados Unidos terão uma agenda política importante.

Nessa próxima terça feira acontecerá o Mid Term Elections  que nada mais é que a eleição de meio de mandato dos representantes do Congresso. E segundo corre na boca pequena, o recente bom humor de Donald Trump pode ser pontual e que essa agradável mudança de discurso visaria unicamente eleger representantes republicanos para garantir apoio no Congresso para futuras medidas a serem adotadas em 2019.

A boca pequena antecipa que o clima favorável com o representante chinês tem hora certa para acabar, ou seja, após a divulgação das eleições de amanhã. E se isso de fato acontecer, e Trump voltar a endurecer o discurso de deficit comercial, os preços em Chicago voltariam a cair. Basta lembrar que a safra de soja está sendo colhida e que sem China presente não haveria demanda suficiente para fazer fluir a safra num curto prazo.

Se o acordo for por água abaixo, isso seria positivo para a origem do Brasil e Argentina! Até porque os negócios de safra nova tomariam novo gás. Brasil e Argentina apostaram alto (em área e tecnologia) numa maior participação no mercado chines. mas aqui vale uma observação: Atenção para os preços da soja disponível para quem ainda tem estoque pois se confirmada alguma negociação de compra de soja de origem norte americana para porto de Rio Grande, os prêmios para soja Novembro/Dezembro cairiam.  Para essa posição há vendedores para soja via porto de Paranaguá a US$ 2,25/2,30 acima de Chicago e não há compradores abertos.

Então as próximas horas serão importantes para o setor produtivo brasileiro.

Vamos acompanhando. Boa semana a todos nós!

Compartilhar.

Sobre o Autor

Andrea de Sousa Cordeiro

Andrea Sousa Cordeiro, formada em Direito pela Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI. Com 21 anos de experiência em consultoria no mercado agrícola, com participação em cursos, treinamento e palestras n Brasil e Estados Unidos. Atua com foco destacado na área comercial, sistemas de trocas, derivativos cambiais, sistemas de hedge na BM&F e CME e leilões CONAB. Cursando MBA em Agronegócio pela ESALQ. Criadora do Blog Missão Mulheres do Agro que também dá nome a um Movimento Nacional de Valorização da Mulher do Agro, cujos destaques são circuitos de palestras e viagens técnicas para destinos como Estados Unidos, Argentina e China para público exclusivamente feminino.

Deixe Seu Comentário