Dicas de economia doméstica para períodos de crise

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Segundo dados de uma pesquisa publicada pelo SPC (Sistema de proteção ao crédito), o consumidor brasileiro não tem o hábito de poupar dinheiro, e quando o faz, geralmente possui perfil conservador, aplicando apenas em investimentos de baixo risco, como cadernetas de poupança, fazendo planos de adquirir algum bem, e muito raramente como fundo de reserva.

É difícil equilibrar o orçamento doméstico em um país onde os preços do supermercado no mês anterior já não são iguais aos da compra atual, ou quando o seu salário não tem acompanhado as elevações da economia. E mais difícil ainda, é saber que estamos migrando para uma era onde os produtos se tornam descartáveis, feitos para determinado tempo de vida útil, estimulando fortemente o consumismo.

Com um pouco de organização e alguns ajustes, é possível reduzir gastos, se adaptar à alta da inflação, e conseguir poupar dinheiro quando o nosso poder de compra diminui.

Vale lembrar que, se você possui dívidas em atraso, é prioridade regularizá-las antes de começar a criar uma reserva para imprevistos, portanto:

– Dê prioridade às contas que são necessárias e passíveis de corte de serviços, como água e luz.
– Depois, procure pagar as pendências em que a taxa de juros é mais elevada, como cartão de crédito e cheque especial.
– Em caso de financiamentos com parcelas inadimplentes, tente negociá-las junto aos credores, renegocie dentro da sua realidade e capacidade de pagamento, para que não se torne uma nova dívida inadimplente nos próximos meses.

Aos títulos adimplentes, pense na possibilidade de fazer portabilidade para juros menores (você encontra vários simuladores na internet para cálculo).

Abaixo, relacionei algumas dicas que irão auxiliar no equilíbrio das finanças e facilitarão o planejamento e organização das suas receitas e despesas:

1 – Faça o controle de todos os seus gastos mensais:
Muitas pessoas podem achar esta dica óbvia demais, mas saiba que poucas controlam realmente todos os gastos domésticos.
Registre todos eles em uma planilha, por mais pequenos que possam parecer, pois terão significância no montante final – principalmente para servir de direcionamento quando houver necessidade de reduzir o orçamento.
Existem várias planilhas prontas na internet, e se você possui habilidade com tecnologia, há vários softwares e aplicativos para esta finalidade. Lembre-se, controle os pequenos gastos. Quando você contabiliza o cafezinho, o docinho ou a gorjeta no papel (ou no programa de controle financeiro) ficará surpreso com as proporções que eles podem tomar. E, se você quer economizar dinheiro em tempos de crise, precisará fazer pequenos sacrifícios.

2 – Faça uma lista de compras antes de ir ao supermercado e pesquise preços:
Assim você adquire realmente produtos mais em conta, evita comprar algo que não está precisando e esquecer de levar para casa o que realmente está faltando. E procure não ir ao supermercado com fome. Pode soar engraçado, mas isso influencia no desejo de compra. Quando estamos com fome, agimos com insensatez, comprando besteiras, como balas e doces, dispensáveis para quem procura economizar (no bolso e na saúde).

3 – Diversifique suas atividades:
Uma maneira de economizar é diversificar suas atividades, como as de lazer, por exemplo. Ao invés de sair para jantar fora toda semana, convide amigos para frequentarem sua casa. Você pode optar também por assistir um filme em casa, substituindo uma ida ao cinema por mês.

4 – Tente comprar à vista:
Quem tem disciplina para guardar dinheiro, e efetua suas compras à vista, pode negociar descontos maiores. Além disso, com o dinheiro em mãos, você percebe o quanto está gastando naquele momento, diferente das compras no cartão de crédito.

5 – Economize em pequenos detalhes:
Evite comprar com garantia estendida, seguros de aparelhos de lojas, etc;
Evite também comprar um presente muito próximo a uma data comemorativa, se organize e compre antes da elevação típica dos preços que ocorre nestes períodos.
Cancele assinaturas desnecessárias, renovações automáticas (que não lhe permitem negociar valores), reveja cobertura dos seus seguros, seus pacotes de tv a cabo e internet (se realmente você utiliza todo o plano);

6 – Crie o hábito de guardar dinheiro, mesmo que seja pouco:
Abra uma poupança e deposite mensalmente qualquer quantia (R$ 20,00, 30,00), mas seja fiel aos depósitos mensais;
Se tiver filhos, abra uma conta no nome de cada um, e guarde nem que sejam as moedas do cofrinho do mês. Isso vai te motivar a querer aumentar esse valor de poupança e assim criar o hábito de fazer uma reserva de dinheiro.

Compartilhar.

Sobre o Autor

Mariely Biff

Professora Universitária e Consultora em Agronegócios no estado de Mato Grosso. Também atua como voluntária da ONG Por1Sorriso e é fundadora da ONG Seja Luz.

Deixe Seu Comentário