Cultivando mulheres inspiradoras – Priscila Torres

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Diante de um cenário onde muitas jovens têm dificuldade para conseguir o primeiro emprego, mulheres apostam em capacitação profissional como diferencial

Para mostrar essa força feminina no agro, criamos o quadro “Cultivando mulheres inspiradoras”. Esse quadro de entrevistas trará histórias de superação de grandes mulheres do agro, com todos seus desafios e oportunidades.

Hoje em nossa entrevista, trazemos a história da Agrônoma e Consultora Técnica de Vendas, Priscila Torres Cunha.

Priscila Torres é natural de Itabira-MG, região de pouca aptidão agrícola, onde a mineração é o carro-chefe. Mas nem por isso Priscila deixou de seguir seu caminho no agro. Com um contato desde a infância com a fazenda do avô, Priscila acompanhava de perto a criação de gado, a plantação de café e de milho em uma típica propriedade da agricultura familiar.

E ao chegar no momento de decidir sua profissão e carreira, com todas as indecisões desse momento da juventude, Priscila buscou algo diferente daquilo que era o comum na região. Em 2010, ela iniciou o curso de Engenharia Ambiental, até que ao chegar no 2º período, resolveu buscar uma nova mudança e tentar uma vaga em uma universidade federal. A partir daí, por meio de pesquisas sobre os cursos disponíveis, mercado de trabalho e áreas de atuação das mulheres, Priscila se identificou com a Agronomia. A jovem ficou deslumbrada com o potencial de crescimento da produção agrícola do Brasil e o quanto isso representa para a economia do País. Priscila então avaliou esse mercado e se planejou para ingressar nessa área. Decidida, seguiu então para Diamantina-MG, onde ingressou no curso de Agronomia na UFVJM, iniciando de vez sua trajetória no agro.

Capacitação profissional

Priscila, assim como inúmeras outras mulheres, estão atentas à necessidade de capacitação e atualização para acompanhar e atender as demandas do mercado. Ao ingressar na faculdade de agronomia, Priscila já planejava buscar uma área de afinidade e focar em um mestrado após a graduação, tendo em vista o desejo de ampliar seus conhecimentos.

Já no 3º período do curso, Priscila entrou para a equipe do laboratório de sementes, onde desenvolveu vários projetos como bolsista de iniciação científica FAPEMIG e teve oportunidade de produzir artigos e participar de eventos, congressos, etc. Todo esse planejamento durante a graduação foi indispensável para conseguir ingressar no mestrado.

Além do planejamento com foco no mestrado, ainda durante a graduação Priscila se preparou e construiu seu currículo tendo em vista aquilo que almejava profissionalmente e visando as inúmeras possibilidades dentro do mercado. Foi consultora e diretora de RH da Empresa Júnior – Agrovales Consultoria e Projetos e estagiou na Prefeitura Municipal de Itabira na Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento na realização do Projeto Mãe D’água. Durante todo esse período, Priscila adquiriu experiência na área de Agronomia, com ênfase em Fitossanidade onde realizou estágio na empresa Fundação MS.

Foi uma preparação realizada ao longo de toda a graduação em busca de um objetivo previamente definido. Priscila se planejou. “Quando finalizei a graduação, o mestrado se tornou o objetivo. Naquele momento, tomei a decisão pois precisava buscar maior qualificação, aprofundar meus conhecimentos e ser um diferencial para impulsionar minha carreira futura”, relata ela. Priscila ingressou então no mestrado em Fitotecnia pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), onde conquistou o título de mestre.

E foi com essa experiência do mestrado que Priscila adquiriu inúmeras habilidades buscadas pelo mercado de trabalho como: planejamento, trabalhar com metas, objetivos, organização, cumprimento de prazos pré-estabelecidos, saber lidar com a pressão, desenvolvimento de inteligência emocional, aprender a trabalhar com hierarquia e, principalmente, trabalho em equipe. “Por meio do trabalho em equipe, aprendemos a necessidade de saber a hora de ouvir, de falar, e ter resiliência”, conta.

Além disso, Priscila aponta que a execução dos ensaios como assistente técnica foi facilitada pela experiência científica também adquirida durante o mestrado. Além de todo o conhecimento técnico que tem grande aplicação em campo.

Durante toda sua trajetória profissional, Priscila adquiriu também experiência de campo com as culturas: feijão, milho, soja e trigo, geração de demanda, montagem de ensaios e dias de campo, atuando como Agrônoma Geradora de Demanda (AGD) Bayer/Agromais.

Nesse período, Priscila aprendeu muito com a montagem de dias de campo, porque além de conhecer o portfólio da empresa que ela trabalhava, ela passava a conhecer os concorrentes e os produtos deles, por meio da montagem de testes de comparação denominados “lado a lado”. Isso contribui hoje na atuação dela como consultora técnica de vendas, uma vez que conhece os produtos e pode posicionar e recomendar o melhor produto para determinada situação, rotacionando princípios ativos e buscando uma agricultura mais responsável.

Mas Priscila também alerta para as dificuldades do caminho, onde muitas coisas não vão sair como planejado, o clima pode não colaborar para finalizar aquele ensaio, o maquinário pode estragar, e muitas outras adversidades podem acontecer. “Só não podemos desanimar”, relembra.

Desafios e oportunidades

Atualmente, Priscila atua como consultora técnica pela empresa Agromais, na região de Lagoa Dourada – MG, e como maior desafio ela destaca a conquista do primeiro emprego. “Existe o ‘preconceito’ por ser jovem, recém formado, sem experiência, além de ser mulher. Então, acredito que o maior desafio é entrar no mercado de trabalho”, pontua.

Priscila pontua também que em algumas situações ocorre a surpresa do pessoal das fazendas quando se deparam com a presença de uma mulher atuando como consultora. “O susto inicial ele acontece, mas com seu trabalho e o dia-a-dia você logo mostra que está ali porque merece e tem as competências necessárias para tal”, relata.

E dentro dessa realidade da consultoria de vendas, Priscila destaca que com o tempo esse mesmo produtor que estava arredio começa a criar confiança no seu trabalho e eles criam um relacionamento mais cordial, com maior facilidade de networking, baseado no profissionalismo e no bom convívio social. “Eu estou na fazenda para vender o produto, o serviço de assistência e para solucionar o problema do produtor. Não estou só para vender o produto. E quando o produtor entende que eu estou ali para agregar e para solucionar o problema dele, levar resultado e aumentar a rentabilidade, o susto e a insegurança inicial ficam em segundo plano”, esclarece.

Para ela, a maior oportunidade foi o reconhecimento e o voto de confiança dado a ela pela empresa em que ela atua. “Entrei como AGD/Bayer e logo que surgiu a vaga de assistente técnica de vendas, confiaram em mim, acreditaram no meu trabalho e me deram a oportunidade de crescimento dentro da empresa”, salienta.

Priscila destaca ainda que assim como ela, muitas outras mulheres tem ingressado nesse mercado e desbravado seu espaço. “A presença da mulher no agro está aumentando a cada dia e é visível a importância do nosso papel no agronegócio. Vejo, inclusive, o aumento de renda de muitas fazendas que são gerenciadas por mulheres”, conta a agrônoma.

De agro mulher para agro mulher

Priscila finaliza relembrando que gostar do agro e de sua função desempenhada no campo é o principal ponto para ser uma pessoa realizada e motivada naquilo que desempenha. E reitera a necessidade das mulheres não desistirem dos seus sonhos e colocarem fé que as coisas podem acontecer, que elas acontecem.

“Mulheres, persistam nos seus sonhos, tenham paciência, dedicação e muito trabalho. Coloque amor naquilo que faz. O mercado é dinâmico e busca por pessoas determinadas, proativo, com capacidade de prever e solucionar problemas, atentos aos detalhes e que tenham iniciativa e boa comunicação. Para alcançar ainda mais espaço tenham 3 coisas: trabalho, competência e o principal, gostar muito do campo, gostar MUITO do agro”.

A história de Priscila é mais uma das muitas histórias inspiradoras que vamos cultivar por aqui. Acompanhe nosso quadro e se inspire com a gente e com essas grandes agro mulheres!

Compartilhar.

Sobre o Autor

Marluce Corrêa Ribeiro

Filha de produtores rurais, técnica em agropecuária, jornalista e estudante de Agronomia.

Deixe Seu Comentário