segunda-feira, novembro 23

Cultivando mulheres inspiradoras – Isadora Rodrigues

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Em tempos onde a nova geração é um forte agente de digitalização do campo, estar preparada para esse novo cenário tecnológico é uma grande responsabilidade social das jovens do agro

Para mostrar essa força feminina no agro, criamos o quadro “Cultivando mulheres inspiradoras”. Esse quadro de entrevistas trará histórias de superação de grandes mulheres do agro, com todos seus desafios e oportunidades.

Hoje em nossa entrevista, trazemos a história da Engenheira Agrônoma, Isadora Rodrigues,

Isadora Oliveira Rodrigues nasceu em Dourados-MS e, atualmente, mora em Maracaju-MS. A filha do meio de 3 irmãos, saiu da casa dos pais aos 13 anos para estudar na capital, onde morou até concluir o ensino médio. Ao fim dessa etapa, Isadora ingressou no curso de Engenharia Agronômica na Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ/USP). Durante a graduação, ela realizou diversos estágios e dois intercâmbios. E ao finalizar a graduação, não parou por aí. Ela é também pós-graduada em liderança empreendedora rural (FAMASUL) e, atualmente, cursa MBA em gestão empresarial (FGV).

O agro faz parte da família e da história de Isadora. Ela integra a segunda geração do Grupo Monte Alto, grupo econômico da família, que trabalha com atividades agropecuárias em Maracaju, Bandeirantes e Pantanal. Hoje, Isadora atua como Diretora técnica na parte agrícola do grupo e Diretora Executiva na Agriseiva Consultoria e Planejamento Agropecuário.

Amor pelo agro

A história de Isadora com o agro começou desde a infância, mas ela conta que seu amor por ele começou mesmo na graduação. “Hoje vejo como os estágios que eu fiz e as pessoas que eu tive oportunidade de conhecer tiveram um grande impacto na minha vida. Passei a encarar o agro de maneira diferente, inclusive o negócio familiar. Uma frase do José Saramago, que faz todo sentido para mim, diz assim: ‘É preciso sair da ilha para ver a ilha. Não nos vemos se não saímos de nós’. E para mim, fazer estágio, intercâmbio e/ou qualquer outra atividade que te forcem a sair da zona de conforto faz com que você veja a ilha de fora e encare de outra maneira as relações, os problemas e as coisas boas também”, reflete a Engenheira Agrônoma.

Isadora ainda declara o quanto seu amor pelo agro cresce a cada dia e a cada desafio. “Essa história de amor com o agro já vai fazer uma década. E a cada dia eu me apaixono mais um pouco, tanto pela dinâmica com que as coisas acontecem como pelas pessoas envolvidas nele. Eu sou uma pessoa que gosta de se sentir desafiada e o agro para mim é isso: um desafio atrás do outro”, declara ela.

Momento profissional intenso e promissor

Isadora relata que o momento profissional que ela vive atualmente, está bastante intenso. “Eu gosto disso. Gosto de participar, aprender, debater, tomar decisões e ajudar o Agro a se desenvolver cada dia mais.Com objetivos de longo prazo dentro do agro, pretendo cada vez mais atuar no desenvolvimento de pessoas e estimular o uso de tecnologia no campo. Vejo que vamos mais longe juntos, e para isso precisamos cada vez mais capacitar, treinar e engajar as pessoas que estão envolvidas em nossas atividades”, pontua ela.

E para chegar até aqui, Isadora relata que inúmeros foram os desafios e as oportunidades pelo caminho. Como grande desafio, Isadora destaca a superação de sua autocensura e cobrança. “Sou uma pessoa muito exigente comigo e com as pessoas próximas a mim. E é bastante desafiador para mim me permitir falhar. Então, superar isso foi muito importante para poder enxergar como ir além. Às vezes precisamos dar um passo para trás, para seguir adiante”, declara ela.

E diante de tantos desafios superados, as oportunidades surgem trazendo também um aumento da responsabilidade dentro da empresa. “Uma grande oportunidade é a que estou vivendo agora ao estar como vice-presidente de uma cooperativa. É uma responsabilidade e tanto!”, comenta satisfeita.

Tecnologias a favor do agro

As tecnologias para o agronegócio surgem aos montes, numa velocidade absurda. E diante de tantas tecnologias que surgem a cada dia dentro do agronegócio, Isadora destaca a necessidade de capacitação e qualificação profissional das pessoas que estão diretamente trabalhando com essas novas tecnologias.

“Precisamos ter gente boa trabalhando com as novas tecnologias. É difícil, mas preciso falar que muitas pessoas estão comprando ‘Ferrari’ sem saber dirigir e sem ter motorista. Aí não dá. E a culpa não é da tecnologia! É de quem está na gestão do negócio. E eu acredito que toda essa nova geração que vem assumindo os negócios da família pode ser um agente de digitalização do campo. Nós precisamos enxergar as pessoas que trabalham conosco e prepará-las para essas mudanças que vem acontecendo no agro, é nossa responsabilidade social”, enfatiza a jovem profissional.

Diante de um cenário tão desafiador como o da pandemia atual, muitas tecnologias ganharam força para possibilitar o trabalho eficiente e seguro também no agro. Isadora destaca que “com certeza, algumas tecnologias que sinalizavam ser uma tendência antes da pandemia, hoje mostram que vieram para ficar, e no agro não é diferente. Tanto para atender a fazenda, a empresa ou a cooperativa nossas reuniões se tornaram online em sua maioria, são exceções as reuniões que fazemos de forma presencial”.

A tomada de decisão também foi algo que passou a ter que ser mais rápido e assertivo em tempos tão imprevisíveis, como aponta a Engenheira Agrônoma.

“A pandemia fez com que nós tivéssemos que tomar as decisões de forma mais rápida e assertiva, e para isso precisamos ter mais ainda a informação na mão. Então, pudemos perceber que ter dados confiáveis e sincronizados são essenciais para a sustentabilidade do nosso negócio. Nós já sabíamos disso antes, mas agora é como se tivesse um relógio fazendo ‘tique taque’”.

De agro mulher para agro mulher

Diante de um cenário de marcante a mudança no agro com maior presença feminina, Isadora aponta sua leitura do cenário e sua expectativa para a participação das mulheres em diversas áreas de atuação do agro. “Nós fortalecemos ideias e temos um perfil de gestão mais participativo. Nós mulheres estamos sempre buscando aprimoramento pessoal e profissional. Percebo um aumento no número de mulheres em cargos de liderança e esse número aumentará mais ainda”, comenta esperançosa.

E a partir dessa expectativa positiva para a participação feminina no agro com previsão de uma digitalização cada vez maior do campo, Isadora deixa um recado a cada uma das agro mulheres que se desafiam todos os dias nesse setor tão marcante da economia e de importância ímpar para o País.

“Descubram seu propósito. Não desistam no primeiro obstáculo. Coloquem seus objetivos em primeiro plano. Busquem se aperfeiçoar a cada dia em suas competências e desenvolver novas. Peçam feedback. Tenham postura profissional. Saibam enxergar as oportunidades que estão à sua volta e não tenham medo de errar” (Isadora Rodrigues, Engenheira Agrônoma)

A história da Isadora é mais uma das muitas histórias inspiradoras que vamos cultivar por aqui. Acompanhe nosso quadro e se inspire com a gente e com essas grandes agro mulheres!

Compartilhar.

Sobre o Autor

Marluce Corrêa Ribeiro

Filha de produtores rurais, técnica em agropecuária, jornalista e estudante de Agronomia.

Deixe Seu Comentário