A presença da mulher nas corporações do agronegócio

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Diferenciais femininos contribuem para gerar resultados positivos e equipes engajadas dentro das corporações do agro

Texto: Marluce Corrêa Ribeiro – Jornalista e Redatora do Portal Agromulher

A cada dia, a mulher tem conquistado mais espaço em diversas áreas de atuação dentro do agro. E o ambiente corporativo é uma dessas áreas com forte presença feminina. Tanto que, nos últimos anos, várias empresas têm assumido o compromisso de promover um ambiente de trabalho mais inclusivo e acolhedor. Diversas iniciativas relevantes têm sido desenvolvidas a fim de atrair, desenvolver e promover mulheres dentro das empresas do mercado agro. Essas ações têm promovido também o empoderamento de mulheres na área de tecnologia e ciência, oferecendo oportunidades e equidade de gênero, a fim de que as mulheres possam ter igual presença e reconhecimento em todos os níveis do mercado.

E é nesse mercado que as mulheres ganham destaque por algumas habilidades próprias. Um desses grandes diferenciais femininos no ambiente corporativo é a capacidade de formar grupos, de liderar e de estar atenta aos detalhes. A mulher consegue desenvolver várias atividades ao mesmo tempo, como orientar uma equipe, cumprir o seu trabalho, planejar o restante da semana, enquanto pensa na reunião do fim da tarde, em busca de alguma forma inovadora de envolver a equipe inteira naquele propósito. Ufa!

Ser mulher do ambiente corporativo do agro é conseguir “pensar fora da caixa” e, muitas vezes, solucionar, ao mesmo tempo, uma pendência por e-mail, outra pelo aplicativo de conversa, mais uma por ligação, enquanto se prepara para uma reunião, corre na fábrica, no laboratório ou no campo e delega as funções para a equipe, e tudo isso com um alto nível de eficiência e qualidade. É fazer caber mais atividades em 24 horas do que parece possível. É ser motivada todos os dias por um propósito maior de toda uma equipe e uma empresa. É superar desafios diários que só elas sabem quais são. É reafirmar a necessidade das empresas promoverem políticas de equidade de gênero e de incentivo à mulheres em postos de liderança dentro da corporação.

Diferenciais de sucesso no mundo corporativo do agro

Para Nathalia, Lidiane e Daniele, colaboradoras da Oxiquímica Agrociência, o trabalho tem tudo isso que um ambiente corporativo proporciona, com foco na gestão da qualidade de produtos e de todos os processos de produção da empresa.

Nathalia Giória, que é graduada em Biologia e Pós-Graduanda em Gestão da Qualidade, atua junto ao time do Laboratório de Controle de Qualidade da Oxiquímica para implantar e gerir um sistema de qualidade ISO 17025, a fim de garantir a qualidade e rastreabilidade dos produtos que são fornecidos aos clientes.

Lidiane , que é formada em Administração, atua também na área de qualidade como Analista de Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) da empresa.

E Daniele Belarmino, que é Tecnóloga em Biocombustíveis e Engenheira de Produção, atua nos Processos de Produção da Oxiquímica.

Todas elas têm sua história com o agro. Umas há mais tempo na área, outras com uma inserção no mercado mais recente. Mas independente do caminho trilhado até aqui, são mulheres que decidiram estar no agro, trabalhar com controle de qualidade, garantir um produto como o consumidor final espera e merece. E dentro desse ambiente corporativo, diversos são os diferenciais femininos que ganham destaque.

Nathalia Giória enxerga como diferencial o fato de a “mulher ser detalhista ao desenvolver qualquer atividade, se preocupando com todas etapas dos processos com a qual lida, principalmente quando envolve fator humano. Esse detalhamento leva muitas vezes sua equipe a participar mais e até produzir mais”, pontua ela.

Para Lidiane Fenerich, os diferenciais femininos nesse ambiente são a “visão e a sensibilidade da mulher, que contribuem para que as ações sejam mais eficientes e eficazes”.

Já para a Analista de Processos Industriais, Daniele Belarmino, um grande diferencial feminino para ocupar esse espaço é a “persistência em chegar até aqui e mostrar que podemos sim ser protagonistas do setor e contribuir com sensibilidade e força para o agronegócio brasileiro”.

No cenário de atuação de Lidiane, Daniele e Nathalia, as mulheres atuam fortemente na área administrativa, de qualidade, laboratorial, meio ambiente, e áreas de pesquisa e desenvolvimento de produtos. Já na indústria e no campo, a presença ainda é um pouco tímida, mas elas também estão lá ocupando esses espaços.

Entre altos e baixos

E entre desafios e oportunidades, dificuldades e conquistas, as mulheres buscam seu merecido reconhecimento e espaço, conquistados por puro mérito de cada uma delas. Para Nathalia, assim como para muitas mulheres do agro, o maior desafio é o próprio fato de ser mulher. “O agro ainda é uma área muito masculina na qual percebemos que quando temos representatividade isso ainda surpreende e incomoda algumas pessoas, ao ponto de dizerem que você não chegou onde está por pura capacidade profissional. Sinto que temos que trabalhar o dobro para demonstrar nossa capacidade e ter respeito, recebendo muitas vezes menos do que os homens na mesma posição”, relata Nathalia Giória.

Em muitos casos, as mulheres são subestimadas quanto ao conhecimento técnico, quanto à rotina do agro, os processos, entre tantos outros aspectos da produção. E isso é o que Lidiane pontua como o maior desafio para ela: “mostrar que as mulheres sabem lidar com o dia a dia da rotina do agro”.

Mas nem só de “baixos” é feita a rotina de uma mulher do agro que trabalha em uma corporação. Existem também inúmeras oportunidades. E são essas que motivam o incansável trabalho e as fazem seguir em frente. Para Lidiane, a maior oportunidade é poder conhecer a produção de diferentes culturas e estar em contato com as maiores belezas que o campo proporciona.

Daniele relata que, para ela, o maior desafio foi também a maior oportunidade. “Vencer a insegurança de atuar no ‘chão de fábrica’ predominantemente masculino, e conseguir desenvolver meu trabalho ao lado de um time altamente comprometido em garantir a qualidade dos nossos produtos. Na Oxiquímica, tenho o privilégio de participar da produção de tecnologias que atendem as necessidades dos agricultores do plantio à colheita. Essas oportunidades despertaram o desejo de contribuir cada dia mais para essa grande âncora que é o agronegócio, tanto pela sua função social quanto para a economia brasileira”, declara a Engenheira de Produção.

Já Nathalia enxerga o momento presente como sua maior oportunidade. Ela, que trabalhava em outro segmento dentro do agro, sempre com supervisão de alguém mais experiente, foi chamada a sair da sua zona de conforto quando ingressou em sua atual função. Nessa nova empreitada, surgiu a possibilidade de entender novos processos, conhecer e ampliar sua área de atuação dentro da qualidade. “Tudo isso acontece comigo e com a empresa aprendendo ao mesmo tempo. É simplesmente fantástico, pois isso me forçou a sair da minha zona de conforto. ‘Fazer dar certo’ se tornou um objetivo e meta pessoal”, pondera ela.

Liderança feminina

Diversas ações corporativas incentivam as mulheres a assumir cargos de liderança nas empresas. Como consequência desse movimento, há um aumento nos cargos de liderança ocupados por mulheres dentro do agronegócio. Mas ainda é um crescimento tímido. Nathalia Giória destaca a importância de políticas de incentivo e aponta que muitas vezes esses casos estão mais concentrados em grandes empresas que possuem uma política de igualdade melhor estabelecida.

“Hoje, trabalho em uma empresa com essa política e minha percepção é de que ao trabalhar duro, com certeza terei chances de uma carreira promissora. Mas, infelizmente, essa não é a realidade de muitas mulheres. Para chegar até aqui, com certeza passei por outras experiências necessárias, mas quando não via oportunidade de crescer, não tive medo de arriscar, e é isso que a mulher não deve ter, o medo de ir atrás da carreira que almeja”, relata Nathalia, que é colaboradora da Oxiquímica Agrociência.

Daniele Belarmino, também parte integrante da equipe Oxiquímica, aponta que tem observado uma crescente participação das mulheres no agro e em cargos de liderança. “Acredito que é uma questão de conquista de espaço, de inclusão e igualdade. No entanto, ainda precisamos nos posicionar mais”, salienta ela.

“O Agro com elas”

Depois de conhecer essas mulheres inspiradoras, mais uma vez podemos lembrar que o agro pode contar com elas. Seja no campo, na corporação, na indústria, no laboratório ou onde quer que seja. O agro é mais forte e mais sensível com elas. Ele é mais eficiente e produtivo com elas. O agronegócio se torna mais inovador, audacioso e revolucionário com a presença das mulheres. E são elas que têm a voz e o poder de deixar um recado a cada uma das agro mulheres que se identificam com os seus depoimentos.

“Em toda e qualquer empresa que trabalharmos, nós mulheres teremos sempre que nos esforçar mais para mostrar nossa capacidade, então procure uma empresa que tenha as expectativas e a política que você quer para sua vida. Não desista de almejar um salário digno e quando alguém disser que você é menor do que realmente você sabe que é, mostre sua capacidade. Mulheres, unam-se, pois em time sempre iremos mais longe.

O bom mercado busca profissionais que não têm medo de arriscar e que tenham a vontade de desenvolver seus negócios, independente do segmento, e essa é a barreira que a mulher deve quebrar. Não ter medo de expandir seus horizontes, de pensar em si e ir para onde estiver sua expectativa profissional, pois as demais áreas da sua vida irão lhe acompanhar”. (Nathalia de Almeida Giória – Analista de Garantia da Qualidade da Oxiquímica Agrociência)

 

“Digo a todas as mulheres que o agronegócio é um mundo de diversas possibilidades e que as mulheres são muito bem vindas a este mundo. Com força e sensibilidade a mulher vai ganhar cada vez mais espaço”. (Lidiane Andreia Fenerich – Analista de SGQ da Oxiquímica)

 

 

 

“Sou muito grata em fazer parte deste time que vem construindo sua história baseada em pessoas, ética, comprometimento e respeito. Pois a participação das mulheres no agro vai além da igualdade de gênero. Acredito que através da qualificação e especialização podemos alcançar mais espaço, mas também precisamos nos unir para ganhar força e visibilidade através dos nossos resultados”. (Daniele Belarmino da Silva – Analista de Processos Industriais da Oxiquímica)

 

 

Gostou de conhecer a história dessas agro mulheres incríveis? Vamos juntos participar da série O AGRO COM ELAS? Fique ligada (o) nas redes sociais da Rede Agromulher e conheça diversas histórias de mulheres que têm contribuído para revolucionar o agro brasileiro.

Sobre a Oxiquímica Agrociência

A Oxiquímica Agrociência é uma empresa que atua no segmento de nutrição, proteção de plantas e tecnologia de aplicação. Uma empresa 100% brasileira, jovem, que investe em inovação e tecnologia. A Oxiquímica tem como alicerce de crescimento, seus produtos de alta qualidade, a parceria com o agricultor e o comprometimento de seus colaboradores e distribuidores. A empresa tem foco na pesquisa e desenvolvimento de novas tecnologias, com alta eficiência e segurança ao meio ambiente. Tendo sempre em seus pilares a importância da sustentabilidade, inovação e inclusão social.

Compartilhar.

Sobre o Autor

AgroMulher

A Rede Digital AgroMulher nasceu com o propósito de gerar resultados por meio da democratização de informações de qualidade e, assim, promover o crescimento de profissionais ligados ao agronegócio.

Deixe Seu Comentário